No hate. No violence
Races? Only one Human race
United We Stand, Divided We Fall
Radio Islam
Know Your enemy!
No time to waste. Act now!
Tomorrow it will be too late

English

Franç.

Deutsch

Arabic

Sven.

Español

Portug.

Italian

Russ.

Bulg.

Croat.

Czech

Dansk

Finn.

Magyar

Neder.

Norsk

Polski

Rom.

Serb.

Slov.

Indon.

Türk.

汉语

O racismo judeu
As esquisitas opiniões da repórter Ruth Costas

 

arrogante apologia e induzimento ao racismo, e a omissão seletiva das patrulhas anti-racismo

Por Alfredo Braga

 


Foi muito divulgado e está reproduzido em vários sites da internet, o texto Quem precisa de Veja?, em que Gilberto Maringon denuncia a falta de ética da revista Veja e de três de seus jornalistas, entre os quais Ruth Costas, que assinam a reportagem de capa da edição de 4 de maio de 2005:

.......... Mas não deixa de ser deprimente a existência de gente que tope assinar uma peça totalmente editorializada e anti-jornalística, apenas para manter seus proventos no fim do mês.

É certo que a vida anda difícil, mas tem um pessoal que pega pesado.

Gilberto Maringon


É verdade que essa gente "pega pesado" em questões de ética, mas não creio que Ruth Costas mantenha apenas uma simples relação de subserviência com o Sr. Civita: Logo depois, na edição de 15 de junho de 2005, ela assina sozinha uma reportagem intitulada Inteligência – uma teoria que explica os gênios judeus, e não deixa de ser significativo o fato que agora ninguém tenha criticado os Civita e a sua revista Veja, nem a esquisita reportagem assinada pela jornalista Ruth Costas.


A coisa vai muito além do que a manutenção de um simples emprego: é demasiado evidente que tanto a repórter, quanto a revista Veja e essas esquisitas seitas "evangélicas", estão engajadas, até às vísceras, nessa alucinada campanha judaica para tentar vender a idéia de uma raça o povo escolhido por Deus como o mais alto exemplo de excelência moral e intelectual, e de superioridade genética ...


Ruth Costas principia a sua matéria afirmando o óbvio: que as matrizes de várias correntes racistas, derivam exatamente da hipótese de que um grupo étnico (ela evita a palavra racial, pois foi decretado que não existem raças) possa ser superior, ou mais inteligente que outros grupos. Dessa maneira, por ter repetido esse lugar-comum com a maior desfaçatez, ela acredita, ou finge acreditar que está livre de qualquer responsabilidade moral (ou legal) ao divulgar, exatamente, essa indecente teoria racista, em tudo exatamente igual ao que se afirma ter sido postulado pelos nazistas em relação à "supremacia" da raça ariana. Ela ainda se dá ao direito – com o aval do Sr. Civita – de relatar e publicar certas "pesquisas de grupos de cientistas, nos Estados Unidos e na Europa", que chegaram à conclusão que os judeus, numa proporção de 5 para 1, são mais inteligentes do que os seres humanos de outros grupos raciais... E para explicar a extraordinária razão dessas interessantes "descobertas", são minuciosamente descritos os cuidados de eugenia, e os cruzamentos endogâmicos entre as famílias de rabinos asquenazes, desde a Idade Média até aos nossos dias. (mas, afinal: os judeus são uma raça, ou não são uma raça?... existem raças, ou não existem raças?...) Para encerrar, ela apresenta uma lista de judeus que lograram destaque em suas áreas de atuação como, por exemplo, o "santificado" Albert Einstein; e já sem conter a sua prepotência e arrogância, ainda diz: Semearam educação, colhem prêmios Nobel.


Se a "reportagem" da Srª. Ruth Costas não se configura como um claro induzimento à crença racista de que um grupo étnico (não mais os terríveis arianos nazistas, mas os bonzinhos e honestos judeus) seria mais inteligente e, portanto, superior em relação aos outros povos, já não sei a quem interessa a Lei N° 9.459, nem se ela realmente alcança todos os cidadãos, sem discriminações, ou se apenas serve aos esquisitos propósitos e interesses particulares de um certo grupo racial, étnico, religioso, ou "nacional", como queiram:

Lei Nº. 9.459, de 13 de maio de 1.997 (Lei Paim - PT)

Altera os Arts. 1º e 20 da Lei Nº 7.716 de 5 de janeiro de 1.988 (Lei Caó - PDT) que define os crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor, e acrescenta parágrafo ao Art. 140 do Decreto-lei Nº. 2.848, de 7 de dezembro de 1.940.

Art. 1º. Serão punidos, na forma desta Lei, os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional.

Art. 20. Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional.

§ 2º. Se qualquer dos crimes previstos no caput é cometido por intermédio dos meios de comunicação social ou publicação de qualquer natureza:

Pena: reclusão de dois a cinco anos e multa.

Trecho do parecer do ministro Gilson Dipp:

Entendo que não há que se fazer diferenciação entre as figuras da prática, da incitação ou do induzimento, para fins de configuração do racismo, eis que todo aquele que pratica uma destas três condutas discriminatórias ou preconceituosas, é autor do delito de racismo, inserindo-se, em princípio, no âmbito da tipicidade direta. Tais condutas, caracterizam um crime formal, de mera conduta, não se exigindo a realização do resultado material para a sua configuração, bastando, para tanto, a concretização do comportamento típico, como descrito na legislação, com a intenção de sua realização.

STF - Supremo Tribunal Federal


A grande vergonha é que ninguém até agora se manifestou contra a esquisita "reportagem". Todos se calam e fingem que não têm nada com isso... O Observatório da Imprensa não observou nenhuma apologia do racismo na revista Veja; nenhum artista, escritor, ou filósofo, ou algum psicólogo apontou a indecente distorção moral; nenhum psiquiatra analisou a perversão daqueles raciocínios; nenhum delegado do GRADI denunciou a prática de racismo ao Ministério Público; o Ministério Público não propôs ação por induzimento ao racismo levado a cabo por um dos maiores veículos de comunicação social; nenhum juiz tomou conhecimento... nenhum Sindicato, nenhuma ONG, nem a OAB se indignaram com a ladina mas mal dissimulada propaganda racista da Srª. Ruth Costas e de seus patrícios e patrões.

Admiravelmente, ninguém viu nada.

Enfim, mais do que uma simples reportagem, o texto racista patrocinado pelo judeu Civita, é também um cínico balão-de-ensaio com o intuito de medir o entorpecido raciocínio da chamada "opinião pública", e verificar a quantas anda a tênue capacidade de indignação dessa egoísta e acovardada classe média, tão preocupada com o próprio umbigo e cuja moralidade só se manifesta quando lhe ameaçam o bolso; a universidade, e as chefias de seus departamentos, já se sabe como estão: certos professores entregariam os amigos, e até a própria mãe, para abafarem certas denúncias e manterem os tristes cargos.


É triste, para dizer o mínimo, como tudo isso vai sinalizando e sugerindo que os indivíduos ou os grupos de etnia judia não estão sujeitos às mesmas regras sociais ou que, graças ao alegado holocausto judeu, estão imunes e desobrigados das Leis 2.848, 7.716 e 9.459.


Assim, eis que podemos depreender que o enfático parecer do ministro Gilson Dipp1, talvez queira apenas se referir a atos de índole racista eventualmente praticados exclusivamente por góis, os "não-judeus" – nós, os cidadãos comuns – e nunca por israelitas, hebreus, judeus, ou seus agregados.


Por outro lado, não é difícil imaginar como seria a imediata e furiosa reação daqueles honestos senhores e suas organizações e instituições, e de toda a imprensa "nacional", se essas "teorias" sobre qualquer espécie de "superioridade genético-racial" fossem arrogadas e largamente apregoadas através de um dos maiores veículos de comunicação social, como a revista Veja, por algum cidadão de qualquer outro grupo étnico, racial, ou religioso que não fosse o judeu, ou hebreu, ou israelita, como queiram.


Eu, simples mortal, que não sou judeu, a que Lei devo recorrer para denunciar o Sr. Civita e a Srª. Ruth Costas pela prática do crime de racismo, e aqueles senhores e suas honestas instituições, por crime comissivo por omissão?

Entretanto, como resposta ao malicioso texto da Srª. Ruth Costas, não posso deixar de observar que muito provavelmente, aqueles cruzamentos endogâmicos nas fechadas comunidades judias, durante tantas gerações, tenham causado exatamente o efeito inverso e diametralmente oposto ao que gostariam o sociólogo judeu Bernardo Sorj, aboletado na UFRJ, e os seus rabinos e "cientistas americanos e europeus".


A "reportagem" refere muito rapidamente a síndrome Tay-Sachs que ocorre entre judeus, e cujo devastador efeito é o progressivo deterioramento mental de suas infelizes vítimas e, curiosamente, não faz nenhuma referência às outras dez doenças genéticas hereditárias, transmitidas entre israelitas e seus descendentes.


São bastante conhecidos os graves desvios de personalidade, as aberrações psiquiátricas e neurológicas, e as perversas degenerescências mentais e intelectuais resultantes desses cruzamentos endogâmicos.


Portanto, e segundo o raciocínio desses rabinos e dos seus "cientistas americanos e europeus", também estamos autorizados a explicar, exatamente através dessa mesma "teoria", a origem de outras conhecidíssimas características que se encontram normalmente entre as comunidades judias e que não são, propriamente, tão bonitas, nem edificantes, mas que numa sociedade complacente e desprovida de certos valores éticos, irão sempre lhes proporcionar muitos prêmios e vantagens. Então, fica escandalosamente evidente que o resultado desse rabínico apuramento endogâmico lhes garantiu, a par de outros desvios morais, altos padrões de ganância e cobiça, de esperteza e de oportunismo (que são tomados pelas pessoas mais simples, ingenuamente, por "inteligência" ou "criatividade"...) e isso explica claramente como e porquê os judeus acumulam tantos cargos, tantos lucros e logram tantos prêmios, sempre aumentando e estendendo a sua manhosa influência, e exacerbando cada vez mais e mais a sua descabida presunção; mas o que continuam a esconder do grande público, entretanto, são os ladinos mecanismos de sabotagem contra aqueles talentos que não sejam judeus, ou que denunciem essa patrulha judia que atua descaradamente, tanto na imprensa, quanto nos meios artísticos e acadêmicos, destruindo tantas carreiras profissionais:

"Os judeus controlam a maioria das grandes orquestras sinfônicas do mundo. Quando escrevi o Hino Nacional Palestino, a Sinfônica de Boston, que é controlada por judeus, não autorizou o concerto. Desde então não posso trabalhar em nenhuma grande orquestra. As orquestras controladas pelos judeus boicotam o meu trabalho."

Mikis Theodorakis
Autor do tema do filme Zorba, o Grego, numa entrevista ao jornal Haaretz, 2004.


É evidente que apesar do ladino aparato de publicidade e propaganda racista patrocinado pela revista Veja, a atividade dessas pessoas, e da Srª. Ruth Costas e sua mal dissimulada afirmação de "supremacia racial", não é exatamente o que podemos chamar de "genial", e nem sequer de "medianamente inteligente", até porquê, com essa aflita empáfia e prepotência racista, só vão mostrando o seu triste e ancestral complexo de inferioridade.2

"Os judeus, que são algo como nômades, nunca até agora criaram uma forma cultural por si mesmos, e até onde eu posso ver, nunca o farão, uma vez que todos os seus instintos e talentos requerem uma nação mais ou menos civilizada como hospedeira para o seu desenvolvimento."

C. G. Jung
The State of Psychotherapy Today, Collected Works (Routledge), vol. 10 (1934)

"O Senhor teu Deus te dará grandes cidades que não construíste, casas cheias de coisas boas que não fabricaste, e de cisternas que não cavaste, e vinhas e oliveiras, que não plantaste..."

Deuteronômio 6:10-11

P.S.:

Também é preciso avisar urgentemente os espertos "cientistas americanos e europeus" e a Srª. Ruth Costas, que seleção natural acontece espontaneamente, como o próprio nome diz, na natureza, e não sob alguma ladina e obscura maquinação dentro de sinagogas. Esse "apuramento racial" da etnia judia, através de cruzamentos planejados pelos seus fanáticos rabinos, chama-se seleção artificial, ou eugenia, ou endogamia, ou... racismo.3


 




NOTAS:

1 O culto do jurista, sobretudo do hermeneuta, na sociedade moderna, é resultado da propaganda judaica. Destina-se à criação desses juristas ocos e pretensiosos que servem, às vezes inconscientemente, a Israel e às sociedades secretas para irem subindo na vida.

Gustavo Barroso

2 Não se encontra com muita freqüência gente que insista tanto em se auto-elogiar quanto os judeus.

Ainda em Roma, na esplêndida Roma dos Césares, já surgia e circulava por entre algumas pessoas importantes (como até hoje se infiltram por aqui uns rabinos, como o famigerado Henry Sobel) um incerto Josefus (tido pelos judeus como pretenso "historiador") sempre a exagerar e a fantasiar, e a descrever as pequenas habitações e choupanas dos antigos hebreus, como se fossem grandes templos, ou até impressionantes monumentos e construções só comparáveis ao Panteão romano, ou ao Partenon... e os seus chefes e rabinos — ainda segundo ele — eram sempre mais sábios e grandiosos do que os reis e imperadores de qualquer nação.

Enfim, a empáfia judia vem de longe.

Talvez em decorrência da sua origem de pobres nômades analfabetos, e de ladriscos e ladrões (como os irmãos de José, sempre atrás de ricas caravanas) e perante a imponência e o esplendor das grandes civilizações e avançadas culturas — com as quais iam se deparando em suas andanças — por aí tenha surgido o complexo e a matriz psicológica para essa atávica e deselegante característica de tanto se vangloriarem... como se fossem — ainda nesse delírio ancestral — os responsáveis pelo desenvolvimento intelectual, filosófico e científico dos povos e nações que os recebem e hospedam.



Hoje, em suas súplicas e lamúrias junto ao Muro das Lamentações, as ruínas do antigo templo judeu na Palestina, nunca se lembram de agradecer ao verdadeiro responsável pela construção daquelas paredes onde agora se encostam. Foi aquele rei palestino, Herodes Magno, sim, foi um palestino, um árabe, quem mandou construir aquele templo, para os hebreus e seus sacerdotes, como um acordo para não ser incomodado. O Senhor teu Deus te dará ... que não construíste ... que não fabricaste ...

3 "Os judeus, quando acusados de exercerem ação funesta no seio da sociedade, fomentando uma política e uma economia de acordo com o seu plano de domínio mundial, escudam-se em duas desculpas esfarrapadas: uma é a intolerância religiosa; a outra, a intolerância racista. Só os ignorantes da questão se deixam embair. Não há no anti-judaísmo senão um movimento natural de defesa do organismo social contra o parasita que lhe ameaça a vitalidade. O racista máximo é o judeu, que não cruza, não se funde, não se adapta e despreza, no fundo, como o reconhecem as maiores autoridades israelitas na matéria, os povos no meio dos quais vive. Falar de intolerância religiosa nos nossos dias no Brasil, é apelar para uma verdadeira tolice."

Gustavo Barroso

O grande processo de Berna sobre a autenticidade dos "Protocolos"

Agência Minerva Editora, Provas documentais, , p, 73, 1936.


"Israel como um Estado judeu constitui um perigo não apenas a si mesma e a seus habitantes, mas a todos os judeus, e a todos os povos e Estados do Oriente Médio e além."

- Prof. Israel Shahak, judeu e fundador da Liga Israelense de Direitos Humanos


Palestine banner
Viva Palestina!

Latest Additions - em Português

A Entrevista do General Remer
Um dos mais famosos comandantes militares da II Guerra Mundial

Quem controla o Brasil - sionismo na presidência

A conspiração Sionista - para dividir os estados Árabes em pequenas unidades

Fotos   

Herman Rosenblat, um – verdadeiro – cara de pau!    


Iraq under Jewish occupation
Iraq - guerra e ocupação


Rabino defende genocídio do povo palestino

A vez do Irã

Um Complô contra a Radio Islam

Massacre em Gaza - A bestialidade judeo-israelita
Por Alfredo Braga

O que é o Revisionismo?
 

"Se eu fosse um líder árabe nunca assinaria um acordo com Israel. É normal; nós tomamos o país deles."

- David Ben-Gurion, Primeiro-Ministro de Israel


Citações - sionismo

Os Judeus Khazares
Por Dr. Alfred M. Lilienthal


Rabino defende Holocausto Iraniano
“devemos orar pela destruição do Irã”

O poder oculto - De onde nasce a impunidade de Israel
Por Manuel Freytas

Down with Zio-Apartheid
StopJewish Apartheid!

Sobre a influência sionista no Brasil: Judeus no Brasil

As vitórias do revisionismo
Por Professore Robert Faurisson

The Jewish hand behind Internet The Jews behind Google, Facebook, Wikipedia, Yahoo!, MySpace, eBay...

Islamofobia = Propaganda Sionista

Um olhar para o poderoso Lobby judeo - Por Mark Weber

The Founding Myths of Modern Israel
Garaudy: "Os Mitos fundadores"


A Lavagem de Dinheiro das Drogas Pelos Judeus
Maior jornal Israelense Ma'ariv revela!

No assunto do rancor judaico à Cristandade - Por Israel Shahak

Racismo Judaico contra Não-Judeus conforme expresso no Talmud

Reel Bad Arabs - Revealing the racist Jewish Hollywood propaganda

Sobre "O Relatório Leuchter"

The Founding Myths of Modern Israel
Shahak: "Storia ebraica"

O Holocausto negro 
“O comércio de escravos estava nas mãos de judeus”

Protocolos dos Sábios de Sião

Videos - Importante coleção
 

Talmud unmasked
A Verdade Sobre o Talmud

O Talmud Desmascarado

Caricaturas 

Ativismo! - Participa na luta!